A Necessidade de Compartilhamento de Infraestrutura

Tempo de leitura: 6 minutos

Introdução

A explosão da demanda de uso da internet, trouxe como consequência direta a necessidade de expansão significativa da capacidade das redes de telecomunicações, e a maior parte dessa expansão é na prática atendida pela expansão das redes de fibra ótica das grandes operadoras e dos provedores regionais de serviços de internet.

Em nosso blog, temos alguns artigos, já publicados, relacionados com este tema da expansão das redes de telecomunicações, como por exemplo:

Com este crescimento de demanda, um tema ganhou importância fundamental: o compartilhamento de infraestrutura.

O compartilhamento de infraestrutura se dá, na prática, entre as empresas já estabelecidas, como, por exemplo, as empresas de fornecimento de energia elétrica e os provedores de serviços de internet.

No artigo Legislação sobre Compartilhamento de Infraestrutura, publicado em nosso blog, tratamos com um pouco mais de detalhes a legislação relacionada com o compartilhamento de infraestrutura.

Provedores de Serviços de Telecomunicações

Os provedores de serviços de telecomunicações (ISPs) precisam de uma infraestrutura para atender seus clientes.

Quando se usa tecnologia de meios confinados (fibra ótica ou cabos), é comum aproveitar os postes colocados por distribuidoras de energia elétrica para servir de base para a rede da provedora.

Ao utilizar o compartilhamento de postes, é preciso seguir certas diretrizes, se atentando à legislação vigente para não correr o risco de ter seus cabos removidos pela agência reguladora.

Neste artigo, falaremos sobre as preocupações que o provedor deve ter ao usar postes compartilhados, e a importância de manter registros organizados para a manutenção da rede.

Etapas para Viabilizar o Compartilhamento da Infraestrutura

Para utilizar as infraestruturas compartilhadas é importante levar em consideração alguns fatores, que são essenciais tanto para solicitar a implementação do serviço, quanto para a manutenção do mesmo.

Licenciamento como Prestador de Serviços

Em primeiro lugar, para aproveitar o estipulado na Resolução Conjunta nº1, é necessário se qualificar como prestador de serviços de telecomunicações de interesse coletivo. Licenças desse tipo são homologadas pela Anatel, para saber mais sobre o assunto, veja esse artigo.

Contato com a Distribuidora de Energia Elétrica

Já sendo cadastrado como provedor, o próximo passo é fazer contato com a distribuidora de energia elétrica acerca da utilização de seus postes para instalar sua rede de cabos.

A forma de elaborar o contrato depende da empresa responsável pela fornecimento de energia em sua cidade.

A Resolução Conjunta nº 1 estipula que a solicitação de compartilhamento deve ser feita a partir de um pedido formal por escrito, onde deve conter informações detalhadas sobre a rede que deseja ser instalada (postes que serão utilizados, tipo de cabo, etc).

Dessa forma, será possível para a distribuidora realizar um estudo de viabilidade.

Para isso, é necessário fazer-se um planejamento profundo e organizado, contendo todas as especificações desejadas.

A Importância de um Registro Completo e Organizado para a Manutenção da Rede

Manter um registro detalhado é essencial, não só para prestar contas aos órgãos reguladores, como também na própria manutenção da rede.

Um mapeamento preciso, diagramas das caixas de fusão que descrevem os pontos de fixação, além de especificações sobre os cabos utilizados, tornam o trabalho dos técnicos muito mais simples, poupando tempo na solução de problemas e em rotinas de manutenção.

Além disso, ter informações detalhadas das distâncias dos cabos permite por exemplo a utilização de dados de OTDR – Optical Time-Domain Reflectometer– para a previsão da localização de pontos de ruptura em fibra ótica, e também facilita o estudo da forma mais viável de se atender um novo cliente.

É essencial que esse registro seja não apenas completo como também organizado, para que possa ser facilmente reestruturado no caso de expansão da rede.

Dessa forma se poupa muito tempo, podendo aproveitar o trabalho feito anteriormente.

No artigo Reflectômetro Ótico no Domínio do Tempo (OTDR), publicado em nosso blog, falamos um pouco mais sobre o que é o Optical Time-Domain Reflectometer (OTDR) suas funções principais e os benefícios de sua utilização.

O Compartilhamento de Postes é Fundamental

Com os avanços em tecnologias de fibra ótica (para saber mais, veja artigo Novas Capacidades de Redes com Fibra Óptica) , modelos do tipo FTTH são cada vez mais utilizados, e para eles, é essencial o compartilhamento de infraestrutura de poste com distribuidoras de energia elétrica.

Conforme visto neste artigo, existem diversos fatores para os quais se deve atentar quando utilizando infraestrutura compartilhada com distribuidoras de energia, mas o mais importante é manter um mapeamento detalhado de toda a estrutura da rede, pois isso facilita o processo de solicitação de compartilhamento, a manutenção e também a expansão do serviço.


Autor deste Artigo: Estudante de Engenharia Bernardo Sobral Werneck, orientada pelo Engenheiro Marcelo Vasconcelos

Compartilhe seu caso, e deixe seu comentário conosco!


Edição e Revisão: Paulo Florêncio, Diretor Comercial da Target Solutions (twitter @paulofm)


Artigos Publicados Sobre Telecomunicações

Em nosso blog, você pode encontrar diversos outros artigos relacionados com Telecomunicações. Para acessá-los, clique no respectivo título


A Target é Especializada em Projetos de Enlaces Rádio

Projetos de enlaces rádio possuem diversas características técnicas que devem ser considerados e geram uma grande massa de dados que precisam ser gerenciados.

Grandes operadoras de telecomunicações, que possuem milhares de enlaces rádio, assim como empresas em geral, mesmo com uma quantidade menor de enlaces rádio, precisam ter o total controle de seus projetos.

Clique aqui para agendar um contato com um de nossos Consultores Especializados.

Continuem acompanhando nosso blog para conhecerem mais sobre como gerenciar grandes quantidades de Enlaces Rádio de forma eficiente, reduzindo custos e evitando penalizações por parte dos órgãos reguladores.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *