Server Legacy Emulation: A Solução para o Risco do Hardware Legado

Tempo de leitura: 10 minutos

Introdução

Este artigo trata de um enorme problema dos Data Centers de grandes empresas, que é o risco crescente de falhas apresentado por servidores antigos, já obsoletos e descontinuados pelos respectivos fabricantes, mas que ainda hospedam aplicações legado (legacy application).

Aplicações legado (legacy application) são aquelas aplicações desenvolvidas há cerca de 20 anos ou mais, mas que, além de estarem em pleno funcionamento, tem importância para o negócio e suportam processos de negócios vigentes nas empresas.

Este tipo de situação é bastante comum, e especialmente importante para os segmentos de Finanças e Telecomunicações, pois nestes setores as empresas possuem data centers em operação há décadas. Apesar do investimento contínuo para a modernização de suas operações, é bastante comum que sistemas desenvolvidos e implantados há 20 anos atrás ou até mais, ainda estejam em operação e, mais importante, gerem receitas relevantes para suas empresas.

Figura – Racks de Servidores e Storage em Data Center

Vamos abordar alguns dos grandes desafios que sistemas legados apresentam para os negócios das empresas, assim como os significativos riscos para o negócio. Também Introduziremos as soluções de virtualização de serviços da plataforma Stromasys, que permitem que o hardware antigo seja substituído por um ambiente virtualizado, possibilitando a migração da camada de software para o novo ambiente, aumentando o desempenho, reduzindo custos e riscos.


O Que é “Server Legacy Emulation”

Antes de chegarmos na definição de Server Legacy Emulation, vamos examinar alguns outros conceitos relacionados.

Vida Útil: Aplicações X Servidores

Como já apresentado na introdução do artigo, aplicações legado (legacy application) são aquelas aplicações desenvolvidas há cerca de 20 anos ou mais, mas que, além de estarem em pleno funcionamento, tem importância para o negócio e suportam processos de negócios correntes nas empresas.

Aplicações legado, em muitos casos estão inseridas em um contexto de serem executadas em servidores antigos (incluindo eventualmente storage e networking), que muitas vezes se encontram descontinuados, sem cobertura de serviços de manutenção do fabricante e apresentando alto risco de falhas de funcionamento.

Isso se dá normalmente devido a um fato determinante:

“A vida útil das aplicações é bem maior do que a do hardware na qual elas foram programadas para rodar”.

Figura – Comparação da vida útil de aplicações, sistemas operacionais e hardware

Aplicações Legado: Importância para o Negócio

Essas aplicações legadas muitas vezes são críticas para o funcionamento do seu negócio, e ainda servem perfeitamente para a função que empregam.

O hardware  por outro lado começa a falhar cada vez mais, levando a períodos de inatividade que acarretam grandes prejuízos, onde a manutenção começa a ficar mais cara e difícil.

Empresas com sistemas legados que ainda são críticos normalmente acreditam que têm 2 opções:

  • Continuar com o hardware antigo, realizando manutenção, ou
  • Realizar a migração da aplicação para um sistema moderno.

Ambas essas opções possuem diversos problemas, dos quais falaremos mais detalhadamente nesse artigo, e que são contornados com uma terceira solução: a utilização de emuladores de hardware legado.

Figura – Data Center

Hardware Legado = Riscos Significativos

O termo Hardware Legado se refere aos equipamentos, mais especificamente servidores antigos (20 anos ou mais), cujos modelos ou arquiteturas proprietárias não estão mais sendo fabricados, ou mesmo com serviços de manutenção de seus fabricantes disponíveis.

Figura – Comparativo da Evolução da Taxa de Falha de Aplicações VERSUS Servidores

Alguns exemplos destes tipos de servidores são:

  • SunSPARC Systems;
  • HP 3000;
  • DEC AlphaServer;
  • PDP-11;
  • VAX;

Como esses hardwares são relativamente antigos, suas peças começam a dar problemas com cada vez mais frequência e já não há mais produção de peças para trocar, sendo necessário procurar cada vez mais para encontrá-las.

Além disso, há continuamente menos pessoas que detém conhecimento sobre o funcionamento e manutenção desses equipamentos, e quem fazia isso antigamente já está se aposentando.

Por conta desses e de outros fatores, a manutenção dessas infraestruturas se torna uma grande despesa para a empresa.

Alternativas para Enfrentar o Problema

Alternativa 1: Manter o Hardware com Peças Sobressalentes

A primeira solução encontrada seria manter o hardware antigo, porém buscando peças sobressalentes para realizar a manutenção do mesmo.

Dessa forma, prolonga-se a vida útil do equipamento sendo possível continuar a utilizar a aplicação.

Figura – Servidores Legado

Possibilidade de Período de Inatividade

Devido à idade avançada do hardware, ele começa a apresentar falhas com grande frequência, aumentando a probabilidade de ocorrerem períodos de inatividade inesperados.

De acordo com a Gartner, empresas sofrem em média prejuízos de até 3,6 milhões de dólares por ano, sendo que 1,3 milhões desses seriam por falhas em hardware, segundo a Forrester Research, Inc.

Claramente esses valores variam de empresa para empresa, porém os prejuízos por tempo de inatividade são por diversos motivos.

Primeiramente a inatividade significa que não será possível realizar as atividades fim da empresa, havendo perda de produtividade que acarreta diretamente em perda de receita.

Além disso, a inatividade também causa diminuição da confiança dos clientes em sua empresa, possivelmente fazendo com que eles parem de utilizar seu produto ou serviço.

Figura – Crescimento da Exposição ao Risco de Falhas de Hardware

Alto Custo de Operação

Os hardwares antigos não eram desenvolvidos tendo economia de recursos em mente, por isso eles tendem a gastar grande quantidade de energia, além de aquecerem muito, necessitando de muita refrigeração.

Por causa disso trazem grandes despesas de operação, sendo também extremamente danosos ao meio ambiente.

Outro problema é a grande quantidade de espaço que os hardwares legados ocupam, sendo extremamente grandes comparados a servidores modernos.

Alternativa 2: Migração para um Sistema Moderno

Outra solução escolhida por algumas empresas é a migração do sistema para uma plataforma moderna.

Isso envolve muitas vezes realizar a programação completa desse sistema novamente, sendo praticamente o mesmo que desenvolver uma aplicação nova do zero.

Figura – Servidores Legado

Essa alternativa tem um custo extremamente elevado, relacionado com:

  • a criação da nova aplicação;
  • o treinamento de funcionários na nova plataforma;
  • migração, conversão e tradução dos dados para a nova plataforma; e
  • possíveis custos de perda de informação no processo.

Além disso, a maioria das migrações duram muito tempo, chegando a levar anos para ser concluída.

De acordo com pesquisa conduzida pela Softek, 83% das migrações passam por problemas durante sua realização, sendo períodos inesperados de inatividade o problema mais frequente.

Outros problemas incluem:

  • Dificuldades de compatibilidade técnica;
  • Dados corrompidos;
  • Performance da aplicação;
  • Perda de dados;

Alternativa 3: Emulação de Hardware com Charon

O Charon é um sistema de emulação de hardware legado desenvolvido pela empresa Stromasys.

Ele funciona servindo como um intermediário entre a aplicação e uma infraestrutura moderna x86, virtualizando a infraestrutura antiga de forma que a aplicação pode ser transferida sem nenhuma alteração.

Os riscos da utilização do Charon são mínimos, pois a aplicação continuará funcionando da mesma forma que antes, como se ainda estivesse no hardware antigo, não havendo possibilidade de incompatibilidade.

Haverá, no entanto, a segurança de infraestruturas modernas com suporte em abundância, diminuindo as ocorrências de períodos inesperados de inatividade.

Figura – Emulação de Hardware com Charon

Além disso, não será necessário o treinamento dos funcionários para a operação do sistema, pois ele permanecerá inalterado do ponto de vista da aplicação.

Dessa forma, a migração para o Charon é simples, além de rápida, levando em média 5 dias para ser completada, dependendo da quantidade de dados armazenados, sendo possível manter a funcionalidade que se tinha anteriormente, com os benefícios de se utilizar um hardware moderno.

Com a migração para o Charon, há diminuição nos gastos com manutenção, na utilização de energia e espaço, além de muitas vezes ser observado até melhora no desempenho.

Levando em conta todos esses fatores, o Charon é uma solução que tende a ter um retorno de investimento (ROI) alto e rápido.

Conclusão

Hardwares legados são um perigoso gargalo para empresas que possuem aplicações críticas rodando neles.

Para resolver esse problema, a manutenção do hardware com peças sobressalentes e a migração para uma plataforma moderna são soluções extremamente arriscadas e com custo elevado.

Como manter o sistema funcionando do jeito que está pode acarretar diversos problemas, é imprescindível encontrar uma solução.

Nesse contexto, o Charon é a solução de menor custo e menos arriscada, mantendo a aplicação da forma exata com que ela tem funcionado durante anos, porém em uma infraestrutura moderna, com fácil manutenção e menos gasto de energia e espaço.

Quando se tratando de hardware legado, não é uma questão de se ocorrerá uma falha, mas uma questão de quando ela ocorrerá, por isso não demore para procurar uma solução.



Parceria Target x Stromasys

Veja neste artigo (Parceria Target Solutions e Stromasys) o anúncio da parceria celebrada pela Target Solutions com a importante empresa multinacional Stromasys, referência em soluções de Server Legacy Emulation, ou seja, soluções para estender o ciclo de vida de sistemas corporativos legados por meio da virtualização, modernização e aprimoramento de importantes plataformas legadas.


Sobre a Stromasys

A Stromasys é pioneira em soluções de emulação de servidores legados de multiplataformas corporativas, fornecendo infraestrutura moderna para aplicações legadas em execução nos servidores PDP-11, Digital VAX e Alpha, HP 3000 e SPARC.

Fundada em 1998 e com sede em Genebra, na Suíça, a empresa tem escritórios de vendas e laboratórios de engenharia, desenvolvimento e pesquisa localizados em todo o mundo, além de já ter implementado mais de 7.000 soluções para empresas líderes mundiais em mais de 50 países.


Autor deste Artigo: Estudante de Engenharia Bernardo Sobral Werneck, orientado pelo Engenheiro Marcelo Vasconcelos

Edição e Revisão: Paulo Florêncio, Diretor Comercial da Target Solutions

Compartilhe seu caso, e deixe seu comentário conosco!


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *