Legislação sobre Compartilhamento de Infraestrutura

Tempo de leitura: 6 minutos

Introdução

A explosão da demanda de uso da internet, trouxe como consequência direta a necessidade de expansão significativa da capacidade das redes de telecomunicações, e a maior parte dessa expansão é na prática atendida pela expansão das redes de fibra ótica das grandes operadoras e dos provedores regionais de serviços de internet.

Com este crescimento de demanda, um tema ganhou importância fundamental: o compartilhamento de infraestrutura.

O compartilhamento de infraestrutura se dá, na prática, entre as empresas já estabelecidas, como, por exemplo, as empresas de fornecimento de energia elétrica e os provedores de serviços de internet.

Compartilhamento de Infraestrutura

A Legislação Aplicável

O compartilhamento de infraestrutura foi discutido na Resolução Conjunta nº 1, de 24 de novembro de 1999 (Aneel, Anatel e ANP), onde se estabeleceu que a capacidade excedente da infraestrutura de agentes exploradores de serviços públicos de energia elétrica pode ser concedida para o uso de prestadores de serviços de telecomunicações de interesse coletivo.

Para estimular a otimização de recursos e a redução de custos operacionais, além de outros benefícios aos usuários dos serviços prestados, atendendo a regulamentação específica do setor de telecomunicações, a Anatel aprovou, por meio da Resolução 683, de 05 de outubro de 2017, o Regulamento de Compartilhamento de Infraestrutura de Suporte à Prestação de Serviço de Telecomunicações.

Segundo este Regulamento, o compartilhamento de infraestrutura visa estimular a otimização de recursos e a redução de custos operacionais, com o objetivo de beneficiar os usuários dos serviços prestados, atendendo à regulamentação específica do setor de telecomunicações.

Devem ser empreendidos esforços no sentido de evitar a duplicidade de infraestrutura para prestação de serviço, buscando a racionalização no uso de instalações.

O compartilhamento dá-se por meio da utilização da capacidade excedente.

A detentora dimensionará a capacidade excedente, bem como definirá as condições de compartilhamento.

A detentora tem prioridade de uso da infraestrutura.

Principais Termos Utilizados no Regulamento

O Regulamento de Compartilhamento de Infraestrutura de Suporte à Prestação de Serviço de Telecomunicações foi aprovado pela Anatel através da Resolução 683, de 05 de outubro de 2017, e os principais termos utilizados são definidos da seguinte forma:

Capacidade excedente

  • A capacidade excedente é a infraestrutura de suporte instalada e não utilizada, total ou parcialmente, disponível para compartilhamento.

Compartilhamento de infraestrutura

  • O Compartilhamento de infraestrutura é a cessão, a título oneroso, de capacidade excedente da infraestrutura de suporte, para a prestação de serviços de telecomunicações por prestadoras de outros grupos econômicos.

Detentora

  • O termo Detentora se refere a pessoa física ou jurídica que detém, administra ou controla, direta ou indiretamente, uma infraestrutura de suporte.

Infraestrutura de Suporte

  • Define-se como Infraestrutura de suporte todos os meios físicos fixos utilizados para dar suporte a redes de telecomunicações, entre os quais postes, torres, mastros, armários, dutos, condutos, estruturas de superfície e estruturas suspensas.

Linha de Visada

  • A Linha de Visada é a situação de relevo em que não existem obstáculos entre transmissor e receptor no interior da primeira zona de Fresnel.

Rede de telecomunicações

  • Entende-se como Rede de Telecomunicações todo o conjunto operacional contínuo de circuitos e equipamentos, incluindo funções de transmissão, comutação, multiplexação ou quaisquer outras indispensáveis à operação de serviços de telecomunicações.

Solicitante

Nos termos da legislação, Solicitante é definido como a prestadora interessada no compartilhamento de infraestrutura.

Regulação da Tarifação

A distribuidora tem o direito a uma tarifa que considerar justa pela disponibilização de espaço em seus postes.

Para evitar tarifas abusivas, a Anatel e a Aneel decidiram em Resolução conjunta publicada em 2014, que o preço de referência para o compartilhamento de espaços em postes seria de R$3,19 por ponto de fixação utilizado, sendo esse o valor comparativo usado para a resolução de conflitos.

Lembrando que essa é apenas uma referência, e não um preço tabelado, com as tarifas variando em torno de 2 a 11 reais, dependendo da distribuidora.


Este artigo não tem como objetivo esgotar a exposição deste tema, nem tampouco de avançar em todos os seus detalhes. Seu objetivo na verdade é fazer uma abordagem introdutória, relacionando os principais instrumentos legais, com seus respectivos links, e que podem ser consultados para um aprofundamento maior.


Autor deste Artigo: Paulo Florêncio, Diretor Comercial da Target Solutions

Compartilhe seu caso, e deixe seu comentário conosco!


Edição e Revisão: Paulo Florêncio, Diretor Comercial da Target Solutions (twitter @paulofm)


Artigos Publicados Sobre Telecomunicações

Em nosso blog, você pode encontrar diversos outros artigos relacionados com Telecomunicações. Para acessá-los, clique no respectivo título


A Target é Especializada em Projetos de Enlaces Rádio

Projetos de enlaces rádio possuem diversas características técnicas que devem ser considerados e geram uma grande massa de dados que precisam ser gerenciados.

Grandes operadoras de telecomunicações, que possuem milhares de enlaces rádio, assim como empresas em geral, mesmo com uma quantidade menor de enlaces rádio, precisam ter o total controle de seus projetos.

Clique aqui para agendar um contato com um de nossos Consultores Especializados.

Continuem acompanhando nosso blog para conhecerem mais sobre como gerenciar grandes quantidades de Enlaces Rádio de forma eficiente, reduzindo custos e evitando penalizações por parte dos órgãos reguladores.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *